LONGEVIDADE SEXUAL

 página principal

A longevidade sexual humana tem aumentado nos últimos tempos; é o que revela as pesquisas científicas que cuidam da área. Resultado que não apresenta nenhuma novidade: se a média de vida aumenta, é esperado que a prática do sexo também tenha a sua longevidade garantida. Entretanto, as mesmas pesquisas científicas dão conta que após os 60 anos de idade, 30% dos homens apresentam sérias disfunções sexuais (deficiência na ereção ou ausência total da mesma).

O problema das dificuldades na ereção lhe atinge? Essa é uma área que as pessoas, principalmente os homens, primam pela inverdade: ora aumentando as incidências, ora reduzindo-as e, em muitas vezes, inventando situações que nunca ocorreram, de acordo com a própria estima.

Quando o assunto é sexo, nenhum ser humano se posiciona abaixo do desempenho de qualquer um dos seus pares e nem passa recibo.

Há uma diversidade enorme de soluções, artificiais, para os casos das deficiências sexuais: bombinhas, Viagra, próteses, simpatias, etc. Mas nenhuma é capaz de levantar a autoestima do usuário, e pelo simples motivo de serem soluções externas ao mundo interior do indivíduo.

 Não há como valorizar a si próprio. A prática é efêmera: quando passa o efeito você lembra que, na próxima vez, vai precisar da mesma ‘muleta’ pra erguer o ‘mastro da vitória’; sem falar em prováveis efeitos colaterais.

Os sexólogos, em geral, oferecem listas com vários itens para melhorar o desempenho do homem frente às suas parceiras. Receituários que vão de pequenas e simples fantasias ao uso de implementos; sem, contudo, resolverem o problema ou, pelo menos, dar um pouco mais de vida útil aos pacientes que se sentem desprotegidos – algumas práticas dessas listas, muito importantes e necessárias para se manter em boa saúde física.

Arthur Schopenhauer, filósofo alemão (1788 - 1860), afirmava: “Não se compreende a linguagem da natureza porque ela é simples demais”. Afirmação feliz, segundo as nossas conclusões teóricas; porém confirmadas por práticas pessoais na solução das dificuldades, com ereções, que começavam a atormentar.

*               *               *

Não temos autoridade e nem o público para fazer a enquete abaixo, com os critérios para o devido valor científico, mas fica a sugestão para sexólogos e terapeutas.

Como você trata o seu órgão sexual:

1   com indiferença ou com certo constrangimento;

2   com naturalidade, como se fosse um órgão qualquer, e

3    com muito carinho.

Não temos a menor dúvida que o resultado da pesquisa seria o seguinte, para as mesmas faixas de idade:

l   grupo um – formado pelo número maior de pessoas com deficiência nas atividades sexuais,

l   grupo dois – apresenta um número razoável de indivíduos com dificuldades sexuais e

l   grupo três – integra o melhor índice de pessoas com bom desempenho na prática do sexo.

*               *               *

Você é daquele tipo que deixa as suas ferramentas de trabalho jogadas no canto e só lembra delas na hora de trabalhar, ou é do tipo que costuma dar manutenção nas mesmas entre uma jornada e outra de trabalho? Tenha certeza que o segundo grupo de pessoas têm ferramentas em melhores condições e por um tempo mais longo; é a lei do uso e desuso – assim é o nosso organismo (principalmente os órgãos  sexuais), não é pra ser usado e esquecido.

Se você é homem, deve estar se perguntando: mas como é que eu vou fazer a manutenção da ‘esquerdista’? Para quem nunca observou, fique sabendo que as aves nunca deixam de cuidar da penas, e me parece que ninguém se deu ao trabalho de ensinar essa prática a elas.

Por que, então, nós humanos, com 2 (duas) mãos tão bem dimensionadas e habilidosas, cheios de informações e de saber, não sabemos cuidar do nosso membro? Sabemos sim, só que negligenciamos a prática ou – por motivos de tabu, cultural, cultuado pela religião – mantemos uma reprovável indiferença e distância com relação ao mesmo, e pagamos um preço caro pelo comportamento equivocado.

Ok! É hora de mudar isso, entrar para o grupo 3 da enquete acima e começar a colher os frutos da mudança.

Caso você faça parte do grupo um, provavelmente só toca na sua ‘ferramenta’ pra fazer xixi ou quando está em ‘ação’. Pois lembre-se que o seu órgão é um instrumento de prazer muito importante e que você precisa lembrar dele, várias vezes ao dia, todos os dias e com bastante  carinho – acariciando-o, sentindo-o vivo e vibrante.

l   Toda vez que ir ao banheiro, fazer xixi, foque a atenção no seu Bráulio ou na sua Margarita (sério: ela é uma flor maravilhosa, das mais lindas que a natureza já produziu) acariciando com leves toques. Se possível, pare por um ou dois minutos nessa prática – isso é só o início.

l   O próximo passo é manipular a sua ‘ferramenta’ até a ereção, sem chegar ao orgasmo. Lembre-se que treino é treino e que jogo é jogo – você está, em treinamento, preparando o seu instrumento para entrar em ação a qualquer hora.

l   A terceira etapa é uma espécie de jogo amistoso, sem valer pontos. Fale com a sua companheira ou com o seu companheiro e faça o treinamento a dois, com penetração sem chegar aos ‘finalmentes’ – depois de domínio dos dois exercícios iniciais, essa terceira prática pode ser exercida três ou  mais vezes por semana e com muito sucesso.

A coisa não é assim tão fácil como está dito. É bem difícil iniciar voluntariamente uma ereção, segurar as ‘pontas’ e não chegar ao orgasmo; mas com treinamento persistente, colocando na cabeça que se trata de exercício, qualquer pessoa consegue. É claro que nas primeiras vezes você vai falhar; porém, a perseverança vai levá-lo à vitória.

Lembre-se que a sua criatividade é muito importante e que a idéia é montar um comportamento de relação entre você e o seu órgão, através de exercícios -- ele é o seu instrumento de prazer.

O fundamento é simples. A prática constante dos exercícios vai reforçar uma conexão, já existente, entre o cérebro e o aparelho sexual; a ponto do praticante assíduo capacitar-se a estabelecer uma ereção – de forma voluntária, em condições normais e a qualquer hora em menos de um minuto, somente com o pensamento.

Se você é capaz de fazer uma caminhada de 30 minutos, sem mais de uma pausa, também é capaz de produzir uma ereção saudável.

______________________

Comente este artigo – Se for matéria pertinente, mesmo que contrária às nossas idéias, será publicada nesta página.

<< HOME Page <

<< VER outros artigos <

TOPO ^